O quanto de maquiagem uma mulher precisa?


Recentemente meu filho viajou para Paris e eu não resisti em pedir que me trouxesse alguns itens de maquiagem, quando ele visitasse a famosa Galeries Lafayette Maison. Eu tinha estado lá no ano passado, e fiquei encantada com o lugar...

E ele trouxe! Ganhei de presente um lindo estojo de viagem da Lancôme e uma elegante caixa com produtos da marca Dior, em que vieram algumas amostras de perfumes e tratamento para a pele – o estoque vai durar alguns meses, certamente!

O estojo de viagem é muito bom, porque é compacto e cabe dentro da bolsa e não ocupa muito espaço. Assim, dá pra retocar a maquiagem quando se está numa festa, numa reunião entre amigos, num jantar e, claro, principalmente quando se está viajando...


O quanto de maquiagem uma mulher precisa?

Para mim, o suficiente é uma boa base, uma máscara de cílios e batom. 


Aproveitei, então, para ‘destralhar’ alguns cosméticos e reduzir meu estojo de maquiagem.  Lavei meus pincéis, joguei fora batons velhos e mantive somente produtos dentro do prazo de validade.

Parece desperdício jogar fora batons, sombras ou lápis que contornam os olhos, que estão em uso, mas esses produtos podem causar irritação na pele, se mantidos por muito tempo depois de abertos.

Veja a temporalidade de alguns itens de maquiagem!
  • Rímel: 3 a 6 meses
  • Base: 6 meses
  • Corretivo: 8 meses
  • Lápis (olhos, sobrancelhas ou lábios): 1 ano
  • Blush em creme: 1 ano 
  • Batom: 1 ano
  • Pó compacto: 2 anos
  • Sombra: 2 anos 
  • Blush em pó: 2 anos
  • Pó bronzeador: 2 anos


Agora, tudo está organizado e pronto para ser usado nos próximos seis meses.



Que tal você rever seu estojo de maquiagem, agora?

Veja, também, minha postagem 'Como você conserva sua maquiagem?'

Consumo consciente avança entre jovens

O título desta postagem foi extraído de uma matéria do Estadão, no Caderno Finanças Pessoais, que tratou sobre o termo lowsumerism, em que o pesquisador Eudardo Biz explica:
'Os pilares desse conceito são menos consumismo, busca por alternativas menos danosas e viver com o necessário. O lowsumerism repensa o que é excesso e sugere que você questione o ato de comprar para ficar na moda. A questão ética passa a entrar na decisão da compra.'
Está aí uma boa reflexão para nos questionarmos do por que as pessoas de média idade (a partir dos 40, considerando a expectativa de vida próximo aos 80 anos) abarrotam suas casas de coisas, que acabam sendo esquecidas ou nem usadas.
Quantas vezes compra-se por impulso e nem se aproveita o objeto de consumo?
Quantas vezes alguns mantimentos ou produtos de higiene passam do prazo de validade e lamentamos ter que jogar fora, quando lembramos de ver a data de vencimento? Ou, então, mesmo cientes de que a data de validade está vencida, arriscamos a saúde, e usamos o produto, com pena de descartá-los.
Quanta papelada guardamos, sem critério e sem categorização, só porque temos receio de precisar deles algum dia e não sabemos por quanto tempo guardar determinados documentos, extratos, faturas pagas, etc.?
Eu, ultimamente, tenho observado meus pertences e tenho praticado o minimalismo. Tenho praticado a Arte de Esvaziar!
Percebi que com menos peças decorativas nas bancadas, não acumula pó e facilita a limpeza;
Com menos roupas no closet, posso ver tudo o que tenho e usar peças do vestuário que estavam escondidas nas gavetas.
Menos louça, panelas e acessórios na cozinha facilitam na hora de cozinhar – fica tudo mais prático de achar. Afinal, para que 2 jogos de louça com 24 peças, se uso somente 2 pratos por vez; ou 10 panelas, se uso no máximo três para preparar cada refeição?  Para quê 3 jogos completos de talheres, se uso um só para me alimentar? 
Por que ter a despensa e geladeira tão cheias, se estou fazendo dieta? Certamente, não vou conseguir perder peso se ficar olhando a toda hora para o estoque de alimentos...   
Menos papeis nas pastas, tudo fica fácil de achar, com muito mais rapidez.
Para que tantos livros guardados, se não os leio mais e nem tenho o propósito de reler?  Guardei só os que consulto regularmente e os que me foram dados de presente, com dedicatória...
Enfim, a vida tem ficado mais leve e sinto-me com muito mais liberdade para fazer o que gosto!
Que tal você se desapegar de coisas que já não fazem mais sentido e praticar o lowsumerism, ou se preferir, o minimalismo? Se precisar de ajuda, Yorganiza é a solução! 

Sugestão de leitura:

Visualizações

Agradecimentos

Ari Hollaender - consultoria em Marketing

Marcadores

Voltar ao topo