Até que ponto a tecnologia facilita a organização em sua casa?

Por mais facilidades que a tecnologia ofereça, se a organização pessoal estiver descuidada o que foi projetado para auxiliar não terá o efeito desejado. É preciso cuidar do espaço físico para sentir-se confortável e para que este seja funcional.

Que a evolução da tecnologia está cada vez mais rápida, já não há mais dúvida. Todo dia aparecem novas máquinas ou ideias para ajudar a vida das pessoas e das empresas, tais como equipamentos para agilizar a produção em massa ou para o manuseio dos insumos agrícolas; aplicativos para variados serviços; eletrodomésticos com novas funções, enfim, o mundo tecnológico tem se transformado de forma extraordinária.

Secar, passar e dobrar sem estresse

Uma das mais recentes invenções é a de um eletrodoméstico (FoldiMate) que passa e dobra a peça de roupa – é só pendurar as roupas ainda úmidas no local indicado pelo fabricante que a roupa já sai seca, passada e dobrada do outro lado... Sonho de consumo de todos que não têm tempo ou não gostam dessa tarefa. E aí eu me incluo – só estou aguardando abaixar um pouco o custo!



Robô Cozinheiro

E a cozinha robótica, então? Capaz de fazer receitas sozinha... que maravilha! Mas, o lançamento será em 2018 e essa tecnologia só ficará mais barata daqui a uma década. Isso me lembra The Jetsons, uma série animada de televisão produzida pela Hanna-Barbera, exibida originalmente entre 1962 e 1963 (faz tempo!! E eu assistia!). 

Os Jetsons eram uma família de 2062 que conviviam com um grande avanço tecnológico. Tendo como tema a "Era Espacial", a série introduziu no imaginário da maioria das pessoas o que seria o futuro da Humanidade: carros voadores, cidades suspensas, trabalho automatizado, toda sorte de aparelhos eletrodomésticos e de entretenimento, robôs como criados, e tudo que dá para se imaginar do futuro. (Wikipédia
.

Voltando para a nossa realidade, com todas essas invenções fabulosas a casa começará a ser automatizada. As pessoas terão mais tempo para se dedicarem a outras atividades, realizando projetos pessoais e profissionais. Eureka!

E onde fica a organização?

Apesar do avanço tecnológico e da facilidade que ela oferece na atividade doméstica, ainda assim, as pessoas precisam da organização para planejarem seu dia-a-dia. As máquinas precisam ser programadas para funcionarem. As roupas lavadas, passadas e dobradas pelo mais novo e fabuloso ‘eletrodoméstico’ precisam ser guardadas de forma organizada para que sejam encontradas dentro dos armários e gavetas.

Para que a cozinha robótica funcione precisa ser abastecida e, depois de usada, deve ser limpa (difícil imaginar que a autolimpeza desse equipamento seja eficiente e higiênica, ou que se abasteça sozinha...). Além disso, é preciso providenciar os ingredientes - será necessária uma lista organizada por itens na hora de ir ao supermercado ou mesmo na compra online. 

A mesma coisa acontece com o uso do aspirador de pó, do multiprocessador de alimentos, da máquina de lavar pratos, da máquina de lavar roupas e de toda a parafernália que foi inventada para ‘facilitar’ a vida doméstica – depois de usados, esses aparelhos devem ser higienizados manualmente e guardados no lugar destinado para eles, certo?

A Tecnologia escraviza? 

Em minha postagem Tempos Modernos, alerto para a quantidade de aparelhos eletrodomésticos, eletrônicos e afins que estão disponíveis e acessíveis no mercado – mas ao longo do tempo eles escravizam as pessoas que amontoam dúzias de geringonças, muitas vezes usadas uma única vez ou nunca usadas, porque se mostram ineficazes e trabalhosos para montar - daí acabam ficando espalhadas pela casa, ocupando espaços e tudo vira um caos...

Mesmo que a tecnologia ofereça os referidos avanços já citados, ainda assim é preciso cuidar para que o ambiente doméstico seja organizado de forma que fique prático para você.

Será que você está usando todos os aparelhos domésticos que têm em casa? Os que estão quebrados ou sem uso valerá a pena mantê-los com você? Que tal fazer uma triagem agora?

Yolanda Hollaender
Sócio-fundadora da ANPOP e membro do ICD

Parceria Organização & Psicologia

Meu interesse pelo tema Desorganização Crônica começou logo que iniciei a atividade como Personal Organizer, quando assisti pela primeira vez o documentário Hoarders (Acumuladores), no canal A&E – o programa aborda o acumulador e seus problemas com a desordem e acúmulo de coisas. Fiquei muito impressionada na época, tentando entender o porquê a pessoa chegou àquele ponto. Comecei a ler a respeito e a me aprofundar no assunto.

Logo depois, atendi uma cliente em potencial que era uma acumuladora e eu não sabia da situação. No telefonema que tivemos, nada foi mencionado. Então, na visita de avaliação, me deparei com dois ambientes abarrotados de objetos e lembranças do pai que tinha falecido há 20 anos. Foi uma surpresa e um grande desafio pela frente!

Como ajudar?

A questão era: Como ajudar aquela cliente a se desapegar daquele passado, sem que isso a fizesse sofrer? Foi quando consultei uma amiga psicóloga para que me ajudasse a resolver a questão e auxiliar no projeto de organização.

Na visão terapêutica da psicóloga o mundo externo muitas vezes está exemplificando como a pessoa está por dentro e como está se sentindo. Pessoas que não conseguem se desvincular de experiências vividas, não conseguem abandonar e se desfazer de objetos.

Por que a parceria Organização e Psicologia?

Este é um trabalho de duas mãos: um lado o profissional de organização e do outro lado o terapeuta – ambos com o mesmo objetivo: ajudar uma pessoa que está em sofrimento. 
A parceria Organização & Psicologia veio dessa necessidade de oferecer ajuda às pessoas que não conseguem se organizar sozinhas, depois de várias tentativas sem sucesso. 

Promoção de Atividades

Idealizamos, então, a Oficina de Suporte aos Problemas de Desorganização, que acolhe pessoas num ambiente aconchegante onde podem falar de suas dificuldades em se organizar sem se sentirem envergonhadas ou serem criticadas. Proporcionamos dinâmicas para que, aos poucos, essas pessoas consigam entender o quanto a desorganização afeta suas vidas.
Os resultados das oficinas são bons, pois conseguimos sensibilizar não só a pessoa que sofre com a desorganização, como também seus familiares para a compreensão do problema e auxílio na continuidade de sua recuperação.

Como disseminar o atendimento ao Desorganizado Crônico?

Devido a essa parceria, a psicóloga clínica Deborah Williamson Passos e eu, Yolanda Hollaender, consultora em organização, participaremos da 4ª edição da Conferência Personal Organizer Brasil, que acontecerá nos dias 18 e 19 de agosto, no NOVOTEL Center-Norte, em São Paulo, apresentando o Workshop ‘Como identificar o cliente desorganizado crônico’.

Em nossos estudos e pesquisas, entendemos que boa parte dos profissionais de organização ainda não reconhece, na prática, o cliente desorganizado crônico. Assim sendo, não conseguem atender às necessidades desse cliente, que tanto necessita de ajuda.

O objetivo do Workshop é fazer uma atividade prática e passar algumas estratégias e técnicas básicas para que o Personal Organizer possa reconhecer o cliente cronicamente desorganizado, em várias situações: desde a entrevista inicial ao telefone; na 1ª visita de avaliação; durante o atendimento e acompanhamento posterior.

Apresentaremos situações, baseados em casos reais, nos quais os participantes terão que analisar, discutir e definir que tipo de cliente estarão atendendo. Após a conclusão dessas reflexões e discussão dos resultados da análise dos casos, será feita uma breve exposição dos sinais que indicam de que cliente se trata.

Atendemos pelo e-mail: suporte@desorganizacao.com.br ou pelo WhatsApp: 11 98997-6264.

Yolanda Hollaender
Sócio-fundadora da ANPOP e membro do ICD

Visualizações

Agradecimentos

Ari Hollaender - consultoria em Marketing

Marcadores

Voltar ao topo