Qual serviço é de competência da Organizadora Profissional?


Tenho tido contato com algumas colegas Organizadoras Profissionais e há um debate bastante acalorado a respeito da atividade exercida e sua complexidade. Nas minhas pesquisas, encontrei várias definições e conceitos que geram dúvida quanto ao serviço profissional.

Personal Organizer é um consultor, em primeiro lugar. Inicia-se o contato com o cliente através de um questionário para que o profissional faça uma análise das necessidades desse cliente, levando-se em conta o estilo de vida de todos que residem ou trabalham no mesmo lugar. A partir desse ponto, começa a elaboração do projeto de organização, que engloba o tempo previsto para o serviço e a sugestão de compra de alguns objetos organizadores, ou até de pequenas mudanças na disposição de móveis, para viabilizar o trabalho.

Uma vez aprovado o projeto, a Organizadora Profissional voltada para Residências (que é o meu nicho), marca o dia para a execução do serviço e recomenda que o cliente esteja presente, porque o primeiro passo é a separação de objetos que não tenham utilidade e estão ocupando lugares que podem ser aproveitados de forma mais funcional. Esta fase é o chamado “descarte”, mas isso não significa que tudo o que não está em uso será jogado fora, porém, será aproveitado de maneira diferente: doação, distribuição para as pessoas da família, pequenos consertos, e até venda num brechó ou pela internet.

Por que guardar uma peça de roupa manequim 40, quando você usa tamanho M a mais de 10 anos, ou então, vários jogos de café com peças desaparelhadas e livros que você poderia se desapegar?

Objects With Stories , Song Dong: Waste Not -  Barbican Art Gallery, London
Para isso, a presença de um profissional em organização faz toda a diferença, pois junto com o cliente é possível avaliar a importância e uso peça por peça, definir os espaços para acomodar cada coisa no seu lugar, fazendo a categorização e a melhor distribuição dos objetos no ambiente que está sendo organizado.

Tendo sido feito o descarte e a separação dos objetos por categoria, chega o momento de colocar em ordem e no lugar estipulado o que foi separado. Nesta fase, o trabalho pode ser feito apenas pelo Profissional em Organização.

Contar com um Personal Organizer é investimento (e não despesa), porque é um profissional preparado para utilizar e ensinar técnicas, ideias e tecnologia em organização. É um ouvinte atento; estuda o estilo de vida de seu cliente, seus hábitos, suas preferências e atividades no dia a dia doméstico. Adapta a residência para que ela se torne um lar mais aconchegante e prazeroso para morar. Assim, você ganha:




TEMPO, pois acha o que procura mais rapidamente;

ECONOMIA, porque não gasta comprando produtos que você esqueceu que tinha em casa;


ESPAÇO, porque otimiza a utilização dos objetos e deixa tudo mais visível e prático;

QUALIDADE DE VIDA, pois há diminuição do estresse;

PRAZER, porque pode curtir sua vida e sua casa como você merece!


Organização é um processo, não um estado alcançado em um dia. Um Organizador Profissional pode ajudá-lo a criar um sistema de organização em alguns dias. Depois disso, o desafio é continuar a mantê-lo e trabalhar com ele um dia de cada vez. A boa notícia é que, uma vez que você aprenda bons sistemas, hábitos e ferramentas, a mudança torna-se mais fácil.

E, então, animou-se para uma entrevista? Envie sua dúvida! Yorganiza pode ser a solução.



Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

Um comentário:

  1. Minha querida Yolanda:
    à primeira vista, pode parecer que este comentário é uma "retribuição" à sua passagem pelo Dando Pitacos, o que não é verdade.
    O seu texto é realmente muito interessante, e deveria servir de orientação, principalmente, para os bagunceiros de plantão.
    Mesmo com toda a sua experiência no ramo você talvez não tenha ideia no que pode se transformar uma casa onde se acumulam durante anos e anos os mais diversos tipos de quinquilharias, uma experiência que já vivi.
    Pra quem gosta de um mínimo de organização, tal situação chega a deprimir.
    Como você muito bem destacou, não tem sentido, por exemplo, "guardar uma peça de roupa manequim 40, quando você usa tamanho M a mais de 10 anos". Ela bem poderia estar sendo reaproveitada de forma mais útil e inteligente, como na "doação, distribuição para as pessoas da família, pequenos consertos, e até venda num brechó ou pela internet".
    Cadastrei meu e-mail para receber suas atualizações, independentemente das "curtidas" no Facebook. Parabéns pelo seu trabalho!

    ResponderExcluir

O que você achou da postagem? Dúvidas em organização?
Deixe aqui seu comentário.

Visualizações

Agradecimentos

Ari Hollaender - consultoria em Marketing

Marcadores

Voltar ao topo