Muito além de “arrumar gavetas”

Um dos episódios do Saia Justa, no GNT, causou certo constrangimento quando uma das integrantes do programa comentou “hoje se contrata ‘coach’ até para arrumar gavetas...”, na abordagem se o coach é derivado das correntes de autoajuda ou desvio da psicologia clínica(...)!?

Desse comentário equivocado, muitas profissionais de organização se sentiram ofendidas, e um debate caloroso se deu por conta disto nas redes sociais, pois a atividade de uma organizadora profissional vai muito além de “arrumar gavetas”...

Personal Organizer é um consultor, em primeiro lugar. Um profissional preparado para utilizar e ensinar técnicas, ideias e tecnologia em organização. Inicia-se o contato com o cliente através de um questionário para que o profissional faça uma análise das necessidades desse cliente, levando-se em conta o estilo de vida de todos que residem ou trabalham no mesmo lugar. A partir desse ponto, começa a elaboração do projeto de organização, que engloba o tempo previsto para o serviço e a sugestão de compra de alguns objetos organizadores, ou até de pequenas mudanças na disposição de móveis, para viabilizar o trabalho.


O trabalho de um Profissional em Organização não se resume em só “arrumar a bagunça”, pois esse profissional pode contribuir de forma eficaz na mudança de hábito dos que compartilham do mesmo espaço, diminuindo o estresse e contribuindo para a harmonia no dia-a-dia. O Organizador Profissional é um especialista em entender o cliente nas suas necessidades e estilo de vida, adaptando o espaço doméstico ou corporativo para que este seja mais funcional e prático.

Organização é um processo, não um estado alcançado em um dia. Consultar o Profissional de Organização pode ajudá-lo a criar um sistema de organização em alguns dias. Depois disso, o desafio é continuar a mantê-lo e trabalhar com ele um dia de cada vez. A boa notícia é que, uma vez que você aprenda bons sistemas, hábitos e ferramentas, a mudança torna-se mais fácil.

Só para exemplificar, num dos episódios do programa Santa Ajuda, também do GNT, a Personal Organizer Micaela Góes dá dicas para meninas ou mulheres que dividem o quarto com a irmã. Entre uma arrumação e outra, ela lembra que organização também é economia de dinheiro. Ela questiona: Já pensou em quantos pares de brinco você já perdeu? E o quanto de dinheiro você desperdiçou com a falta de organização?

Assista ao vídeo Organização também é economia de dinheiro: entenda, clicando na imagem!

Penso que todas as integrantes do Saia Justa precisam se familiarizar um pouco mais sobre a grade de programas da emissora, pois correm o risco de falar bobagem e perder audiência – uma preocupação básica de toda rede de televisão.

Eu nunca havia assistido a esse programa e fiquei pasma com as “pérolas” que ouvi, não só sobre os equívocos quanto à atividade que exerço, mas a forma debochada que abordaram temas sérios, como “Mal de Alzheimer”, Acumuladores Compulsivos e Profissionais em Coaching, dentre outros temas da atualidade. 

Como Profissional de Organização que sou, levo a convicção de que meu trabalho contribui para melhorar a qualidade de vida das pessoas, tornando tudo mais simples e mais fácil.

E, então? Gostaria de uma consultoria? Envie suas dúvidas! Yorganiza sempre tem boas ideias. 
Comente via Blogger
Comente via Facebook
Comente via Google+

8 comentários:

  1. Concordo totalmente! Saber organizar é uma qualidade que poucas pessoas tem. O profissional consegue transmitir uma lógica de atos que facilitam e ajudam tanto físicamente quanto psicologicamente pessoas desorganizadas. Acho que pessoas que sabem se organizar sāo mais bem sucedidas em vários aspectos. Parabéns pelo trabalho! Beijāo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço a visita e o comentário, Sandra.
      Eu diria que ao longo do tempo você aprende formas de se organizar. É um processo - uns tem mais ou menos facilidade em assimilar essa prática. E você tem razão: o sucesso se dá pela disciplina e ordem.
      Meu afetuoso abraço,

      Excluir
  2. Eu assisti ao episódio do "Saia Justa" ao qual você se refere e confesso que fiquei espantada com o que vi e ouvi e acredito que a explicação é que as participantes tem uma completa falta de informação a respeito de diversos assuntos. Acho que elas poderiam se preparar melhor antes de se sentarem frente às câmeras, em respeito ao telespectador. Em relação ao outro programa, o "Santa Ajuda", acho ótimo e assisto sempre que posso! Tenha um ótimo final de semana! 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Guta, debates como esses na TV são um desserviço, porque passam um conceito errado aos telespectadores que multiplicam a informação equivocada. Um grupo de profissionais de organização já está em contato com a direção desse programa para esclarecer o trabalho de um profissional em organização. Obrigada pelo prestígio. Meu forte abraço.

      Excluir
  3. A televisão brasileira está cheia de programas sem conteúdo onde os participantes nem sempre são escolhidos pela ótica do conhecimento na área do tema em discussão, mas no índice de audiência que sua presença pode representar. Essa é a razão de absurdos como o que você noticia, Yolanda!

    Parabéns pelo texto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário, Carlos Roberto. Você apontou bem o problema da audiência - o telespectador tende a ficar deslumbrado com quem está falando, e pouco importa o que está sendo dito.
      Meu forte abraço,

      Excluir
  4. Oi Yolanda,
    Só consegui ver o programa há poucos dias e fiquei muito chateada com a forma pouco respeitosa que foi abordado o trabalho do coach e da profissional (não me lembro se psicóloga ou psiquiatra) que falava sobre acumuladores.
    Bem, assisto esse programa sempre que posso desde o primeiro grupo, ele se propõe a falar sobre assuntos do dia a dia que de certa forma causam pequenas polemicas, "saia justa". Mas te confesso que nunca vi um dia tão infeliz em seus comentários.
    Uma jornalista dizer que "personais" são desnecessários num mundo onde cada vez mais as pessoas precisam ser além de eficientes eficazes ou são engolidas pelo mercado?
    Eu me senti muito desrespeitada como Profissional de Organização e como Psicóloga.
    Mas por outro lado, isso abre os nossos olhos para o fato de como as pessoas vêem nossa profissão. Ainda somos vistas como arrumadeiras, sem querer ofender ou diminuir o trabalho das arrumadeiras, só querendo esclarecer que ,como você bem disse em seu texto, somos profissionais especializadas em transformar ambientes muitas vezes até arrumados em ambientes organizados.
    Espero que consigam uma retratação sobre o assunto, que já foi abordado pelo programa em uma outra fase, pela Maitê Proença, falando muito bem sobre nós inclusive.
    Grata por sua luta constante pelo reconhecimento e respeito por nosso trabalho.
    Ivana Portella

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço seu valioso comentário, Ivana!
      Numa de minhas manifestações nos grupos Personal Organizer do Facebook, escrevi que toda atividade nova custa para ser entendida e reconhecida. Por isso é que usei este canal, pois é a forma que tenho de expor meu ponto de vista sobre os equívocos cometidos por pessoas pouco esclarecidas em certos temas, mas por estarem numa emissora de televisão acabam por confundir os telespectadores.
      Nossa luta continua e sempre!
      Meu forte abraço,

      Excluir

O que você achou da postagem? Dúvidas em organização?
Deixe aqui seu comentário.

Visualizações

Agradecimentos

Ari Hollaender - consultoria em Marketing

Marcadores

Voltar ao topo