O sonho da Casa Perfeita é possível!


O CONSUMISMO pode destruir você se você deixar. Insisto sobre esse assunto porque considero preocupante o excesso do consumo. Tanto que, na virada do ano, esse tema fez parte do discurso do Papa Francisco. Não deixe que sua casa se transforme num depósito de coisas que nem você sabe que tem. Vou dar algumas dicas para que sua casa se aproxime da perfeição.

Cadeiras e mesa de centro Airy, da Muuto (design de Cecilie Manz) chamam atenção num ambiente organizado e minimalista (Foto: far.design/Koelnmesse)


O Papa Francisco, na virada do ano de 2017 para 2018, fez um questionamento sobre o CONSUMISMO da sociedade. Ele pediu aos fiéis o ‘silêncio’ como forma de reflexão sobre o tema.

'Reservar cada dia um tempo de silêncio com Deus é guardar nossa alma, é guardar nossa liberdade das banalidades corrosivas do consumo e do deslumbramento da publicidade.'

Inspiração para escrever sobre o problema de tendências e modismos


Em minha mais recente postagem Maximalismo em alta?, publicada no blog Suporte aos Problemas de Desorganização, em que sou corresponsável juntamente com uma psicóloga clínica no atendimento às pessoas desorganizadas, inspirei-me  num artigo que li no site da Marc Nieder Brasil, abordando as tendências em Design de Interiores para 2018 e que, para minha surpresa, enfatizava o Maximalismo como uma das novas tendências.

Em contrapartida, a 1ª grande feira de design de interiores do ano, a Imm Cologne que aconteceu na Alemanha de 15 a 18 de janeiro de 2018, apresentou as cinco maiores tendências do evento – como uma prévia do que pode ser esperado na maior feira de design de móveis do mundo, a Salone del Mobile, que acontece em abril na cidade de Milão, na Itália.

'A organização dos ambientes está voltando a ser protagonista nas salas de estar. Seja com gavetas, estantes ou mesmo adegas, muitos designers de interiores estão colocando os sinais da vida diária atrás das portas. E a premissa vai além do minimalismo ou de um mero estilo: o que está em alta é a sensação de ordem e a simplicidade'.

Ufa! Para mim, esse tom dado pela feira alemã vai ao encontro do que defendo e acredito como conceito de organização, visando facilitar a vida das pessoas. 


Placa decorativa com regras da casa, publicada na página de um amigo no Facebook


A Casa Perfeita


A tendência da ‘casa perfeita’ mistura poucos itens, mas esbanja elegância. A disposição de pequena quantidade de móveis chama atenção num ambiente organizado e minimalista.

Sua casa é você! A casa reflete a personalidade de seu dono. A casa é o refúgio não só físico, mas o guardião da identidade de seus habitantes.

Por isso é importante que você realmente faça uma reflexão sobre seus hábitos de consumo e se seu estilo de vida não está impactando em suas finanças, em sua moradia e no relacionamento com as pessoas que vivem sob o mesmo teto que você!

Analise os ambientes da casa onde você habita e defina o que é importante ter ou guardar!


Perguntas sobre seus hábitos para você responder e colocar em ação


Seguem algumas perguntas que auxiliam você a decidir se tudo o que está em sua casa é necessário para, depois, se desfazer do que está a mais:

  1. Os móveis que você tem em sua casa deixam você se movimentar, sem que você esbarre neles? Será que não é hora de se desfazer de alguns móveis e deixar a energia fluir melhor nos ambientes?
  2. São necessários tantos livros e CDs nas estantes ou nos armários? 
  3. Você precisa de todos os produtos de higiene ou cuidados pessoais guardados no armário do banheiro e que você nem sabe se estão dentro da data de validade? 
  4. Quantos jogos de louça você precisa ter? Será que um jogo para o dia-a-dia, outro para finais de semana e mais um para servir nas festas não são suficientes?
  5. E os talheres e acessórios de cozinha? Quais os que você usa, de fato? Não deixe que entulhem as gavetas!
  6. Panelas, então? Mantenha somente as que você mais usa - as outras só irão tomar espaço nos armários, dando uma aparência de bagunça. 
  7. Jogos de lençol e toalha de banho, quantos você tem? Talvez 3 sejam suficientes para cada membro da família: enquanto um jogo está sendo usado, um está na lavanderia e um outro de reserva fica no roupeiro. 
  8. E por falar em roupas, em minha postagem anterior Armário não é Museu dou algumas dicas do que guardar e como se desfazer de roupas que não estão em uso.  
  9. Como estão seus documentos? Você faz anualmente uma triagem do que deve manter e o que pode ser jogado fora? 
  10. Quando você sai para as compras, leva uma lista do que precisa trazer? Antes de sair de casa ou do trabalho, habitue-se a anotar os itens que você pensa em comprar – dessa forma, você corre menos risco de escolher produtos que não são prioridade naquele momento.
  11. O que impulsiona você para a aquisição de bens? Pense bem antes de comprar e não se iluda com as maravilhas que um determinado produto promete – faça aquisições conscientes e sustentáveis!
  12. Uma boa triagem e descarte de objetos, móveis e materiais desnecessários e sem uso espalhados nos ambientes de sua casa melhoram os espaços, deixando um ambiente mais leve, aconchegante e fluindo energia boa. Você verá, na prática, que não é tão difícil realizar o sonho da Casa Perfeita!

Faça o exercício proposto e depois deixe aqui seu comentário sobre sua experiência em se desfazer de coisas inúteis, que só entulham sua casa! 


Meu abraço,
Yolanda Hollaender
Sócio-fundadora da ANPOP e membro do ICD

Armário não é Museu


Você tem armários superlotados e acha que não tem o que vestir? Está na hora de fazer uma análise de todas as peças e acessórios que estão no seu guarda-roupa. Você vai descobrir que tem muito mais do que imagina! 

Banco de Imagens PxHere 

Já existe o serviço, como o Terapia do Guarda-roupa, em que a produtora de moda Patrizia Ramalho faz uma avaliação do que está sobrando ou faltando no armário, sugerindo composições que valorizam o tipo físico e estilo de vida do cliente. Segundo a profissional, 'o resultado é um armário prático, só com roupas usáveis'.  

Colocando em prática uma avaliação de seu guarda-roupa

Se você mesma prefere fazer uma autoanálise para saber se tem ou não roupa suficiente, a primeira pergunta é para reflexão: 

Qual é a sensação que você tem quando abre a porta de seu guarda-roupa, ou entra no closet? 

Se a resposta for 'sinto-me satisfeita', então meus parabéns - você não tem excessos e sabe coordenar bem seus looks - você já tem definido um estilo próprio e é uma pessoa organizada e tem tudo no devido lugar!  

Caso a resposta seja 'me sinto frustrada, porque tenho acúmulo de roupas e não sei o que escolher na hora de me vestir', que tal fazer um pequeno exercício de terapia do guarda-roupa

As 5 perguntas a seguir são para que você, ao responder com honestidade, verifique se seus armários estão funcionais, com roupas que combinam entre si. Assim, você terá uma ideia de como está a organização de seus armários e quais as peças de roupa e complementos você usa, de fato. 
  1. Acha com facilidade suas roupas e acessórios?
  2. As roupas estão guardadas, de forma que não fiquem amassadas?
  3. Se você usa caixas organizadoras para acomodar suas coisas, consegue identificar o que guardou em cada caixa? 
  4. Tudo o que você tem guardado nos armários é usado?
  5. Qual é sua maior dificuldade na composição dos looks?
Feito o exercício, veja na lista de dicas a seguir se você aplica algumas delas e, dessa forma, quebrar o paradigma de que você não tem nada para vestir. Afinal, armário não é museu!

Dicas para organizar o armário
  • Tudo o que você tem precisa estar visível, senão corre-se o risco de não se lembrar de peças que combinem com as roupas mais usadas e que possam formar um novo look;
  • Padronizando os cabides, as roupas ficam numa altura homogênea e fica mais fácil serem visualizadas;
  • Nas prateleiras ou gavetas, mantenha peças que possam ser dobradas e de preferência as de tecido que não amassem tanto;
  • Se for usar caixas organizadoras, use etiquetas para que você se lembre e possa localizar mais facilmente o que tem dentro delas;
  • De uma estação para outra você saberá o que mais gosta de usar. Então, se passou 3 ou 4 estações e algumas roupas ficaram sem uso, é hora de pensar em se desapegar e separá-las;
  • Faça composições com as roupas que estão no seu armário. Combine calças com várias blusas. Casacos com vestidos ou saias. Os acessórios ajudam a deixar a mesma roupa com uma aparência diferente. 
Tem um canal do YouTube que gosto muito e recomendo: @vitoriaportes. Assista 10 Peças essenciais no armário femininoVitoria Portes indica peças básicas, curingas e essenciais que devem estar no armário de qualquer mulher e que vão ajudar a compor os looks e ainda estar bem vestida sem grandes esforços.

Sugestões de como se livrar das roupas e acessórios que você separou

Agora que você separou roupas e acessórios, que só estavam fazendo volume em seu guarda-roupa, é hora de descartar. Veja como!

Uma boa causa: Doação de roupas - existem várias entidades que aceitam e coletam roupas usadas em bom estado - antes de fazer a doação, deixe as peças limpas e dobradas - você estará ajudando muitas famílias necessitadas. Algumas entidades promovem bazar com as melhores peças. Os mais conceituados são UNIBES, CasasAndré Luiz, Exército da Salvação. Procure no site da Prefeitura de sua cidade quais os pontos de coleta de roupa e objetos, principalmente durante as campanhas de Inverno!

Recorra aos brechós - transforme sua roupa usada em dinheiro, deixando-as em brechós. Alguns deles compram lotes de roupas usadas em bom estado e outros aceitam em consignação. Procure brechós em sua região - você vai se surpreender com a quantidade de lojas que revendem roupas usadas!

Sessão de trocas de usados - promova uma reunião com amigos e familiares em sua casa, ou no salão do condomínio onde você mora, e proponha a troca de peças de roupas, acessórios e outros objetos. Será pura diversão. Que tal experimentar? 


Diminua a quantidade de roupas que você já não usa mais, selecione peças que combinem entre si e viva com mais liberdade! 


Quando for às compras e se deparar com uma peça 'maravilhosa' na vitrine, pense o seguinte: 
  • essa roupa combina com outras peças que tenho em meu guarda-roupa? 
  • em que ocasião eu vou usá-la?
  • ao comprar essa roupa, a despesa não vai pesar no meu orçamento? 
  • preciso mesmo dessa roupa ou acessório?
  • se pairar alguma dúvida, aguarde alguns dias e adie a compra. Melhor comprar quando precisar, e não por impulso.
Conte nos comentários como é sua relação com seu guarda-roupa e se as dicas ajudaram você a se desfazer de roupas que nem lembrava mais que tinha em algum lugar dentro do Museu, ops... do Armário!  

Precisando de uma consultoria, Yorganiza é uma boa opção. 

Meu abraço,
Yolanda Hollaender 
Sócio-fundadora da ANPOP e membro do ICD

Visualizações

Agradecimentos

Ari Hollaender - consultoria em Marketing

Marcadores

Voltar ao topo